sexta-feira, 30 de abril de 2010

Diário semanal de Lucas 1 versos 12 ao 14

"Ao vê-lo, Zacarias se perturbou e teve medo. Mas o anjo lhe disse: não tenhas medo, Zacarias, porque foi ouvida tua oração. Isabel, tua mulher, vai te dar um filho a quem darás o nome de João. Ficarás alegre e muito feliz e muitos se alegrarão com seu nascimento."


Das lágrimas à alegria. Pra mim, sintetiza muito bem esse pequeno trecho de Lucas. Temos muitas emoções ocorrendo aqui e eu queria dar atenção hoje a duas. Primeiro o medo de Zacarias. Nesses tempos eu tenho aprendido que Deus não nos deixa confortáveis em matéria de emoção. Aliás o desconforto é próprio do cristianismo. Há sempre tribulações, lutas, perseguições, problemas familiares, conjugais, espirituais, etc. Há sempre inquietações. Alguém mesmo já disse que nossa paz é uma paz inquieta. Certamente Zacarias derramou muitas lágrimas por sua mulher, por um filho, antes de chegar neste ponto. Sim, Deus não o poupou disso. E é certo que Ele também não nos poupa. Porque no mundo tereis aflições, disse Jesus certa vez. Quantas vezes não choramos tanto ou até mesmo acordamos em meio a lágrimas. Essa é uma razão que me fez um apaixonado pelo cinema. Somos você e eu alí. Somos nós como seres humanos a cada take. Acho que justamente por isso Deus não nos poupa dos problemas e das lágrimas: são eles que nos levam a dobrar os joelhos e a reconhecermos que precisamos tanto dEle. Zacarias teve medo aqui. Mas  certamente não um medo comum. Em Lost, no episódio piloto, quando Kate costura o ferimento de Jack, ele conta para ela a respeito de uma cirurgia em que estava operando a coluna de uma adolescente quando de repente cometeu um erro grave. Jack então diz a Kate: O medo era tão real! Outro exemplo: lembra do velho testamento quando o povo implorou a Moisés que somente ele tratasse com Deus por causa do medo que forte presença do Todo poderoso causou? É basicamente esse medo que Zacarias sente aqui. Mais que um medo natural, é um medo do sobrenatural, do desconhecido, do que está além da compreensão humana.

Já que estamos abordando a vida e a jornada cristã desde o primeiro verso de Lucas,  o primeiro ponto que acho relevante é justamente esse: Algumas vezes em nossa jornada nos depararemos com essa força, esse explendor que impõe por si só um respeito. Veja, isso é um tipo de situação que enfrentamos em nossa jornada, causada pelo próprio Deus para nos dar um vislumbre daquilo que será. O caminho cristão não é monótono, mas cheio de emoções fortes, que realmente abalam nossa estrutura de seres humanos. Acredite, Deus é sempre capaz de nos fazer tremer de medo de vez em quando... 

Mas eu não gostaria de parar por aqui. O anjo continua e aí nós enxugamos nossas lágrimas mais uma vez. Os céus se abrem diante de nossos olhos e vemos terra à vista depois de tanto tempo na tempestade. Quantas vezes não acordamos chorando não é? Mas também podemos chorar de felicidade, não? Se você já experimentou essa sensação sabe que é indescritível. O anjo nos aponta para a alegria não para uma conjectura. Observe a ênfase: ficarás alegre e muito feliz e muitos se alegrarão...

Quando preguei em Ap. 21.1 eu fiz essa pergunta que não quer calar quando iniciamos uma jornada cristã: você realmente acha que Deus não é capaz de nos fazer feliz? Se Ele ao próprio filho não poupou, também não nos daria a felicidade? Certamente que sim. Aliás Ele é o único capaz disso.  Claro que a felicidade cristã não é algo. Não fomos chamados para sermos felizes, como disse C.S.lewis. A felicidade é como se vai, já disse outro alguém. Certamente Deus é capaz de nos surpreender, de fazer mais daquilo que pedimos ou pensamos, de nos dar vida plena em meio a tantas emoções intensas e de nos completar inteiramente. Sim, Deus não é carrasco. Quantas vezes pensamos assim, mas somos nós mesmos que causamos nosso mal. Somos nós os que trememos de medo da morte por que sabemos quem somos e de quanto precisamos dele naquela hora. Quantas vezes eu me peguei chamando Deus de carrasco. Quantas vezes eu o perguntei se era isso que Ele queria. Não, Deus não sorriu quando a pequena Isabella caiu do sexto andar naquela fatídica noite. Não Blake, Deus não sorri quando vê o Leão estraçalhar a ovelha....

Há muitas perguntas sem resposta aqui, mas uma coisa é certa: há alegria no final. E não só a nossa. A de muitos. Voltaremos ao lar, chegaremos ao porto seguro um dia. Como diz aquela música: ao ouvir a sua meiga voz, minh'alma acordará em suas mãos...amém.

2 comentários:

  1. A paz do senhor querido, visão interessante a sua eu vou pregar essa historia no culto de domingo e vc me ajudou muito , Deus te abençoe.....

    ResponderExcluir
  2. brigado...Deus te abençoe na pregação!

    ResponderExcluir